Por que a Netshoes desabou 44% num só dia



Numa das histórias de destruição de valor mais instantâneas de uma empresa brasileira, a Netshoes desabou 44% hoje após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre. O volume negociado foi vinte vezes a média diária. Desde sua estreia na Bolsa de Nova York há pouco mais de um ano, a empresa já perdeu 84% do valor — listada a US$ 18, a ação agora negocia a US$ 2,87. Um número bem específico causou pânico no balanço divulgado ontem à noite: a companhia saiu de uma posição de caixa de R$ 396 milhões para R$ 60,7 milhões em apenas três meses. A sangria tem a ver com uma mudança de estratégia num assunto bem brasileiro: a forma como a Netshoes vinha monetizando as vendas parceladas. Até o fim do ano passado, a companhia antecipava com os bancos boa parte dos recebíveis de cartão de crédito, transformando em caixa uma receita futura ao custo de uma maior despesa financeira. Nos últimos meses, com a chegada de um novo CFO, a companhia decidiu que não valia a pena ter essa despesa e cortou boa parte da antecipação de recebíveis, com efeito negativo na geração de caixa. "Essa coisa de antecipação de recebíveis é um troço muito tupiniquim e é difícil de explicar para a base de acionistas, que é muito concentrada em fundos gringos de tech", diz um dos poucos gestores locais que ainda tem alguma posição no papel. Com a empresa valendo menos de US$ 90 milhões agora, muitos investidores estrangeiros tendem a liquidar suas posições, especialmente num momento em que o real se desvaloriza frente ao dólar. Para piorar o quadro, a porrada no caixa da Netshoes não veio acompanhada de um aumento proporcional nas vendas. O GMV — o valor total das mercadorias vendidas — subiu 5,2% no primeiro trimestre. A companhia continua entregando o arroz com feijão, mas está longe de produzir o crescimento que o CEO e fundador Marcio Kumruian vendeu durante o IPO. Aliás, nem o arroz com feijão está lá essas coisas. A receita ficou de lado, com alta de 0,8% para R$ 399 milhões; como parte das vendas é feita via marketplace, onde a empresa só recebe comissões, há uma diferença em relação ao GMV. O EBITDA também foi do azul para o vermelho, saindo de R$ 3,6 milhões positivos para R$ 29 milhões negativos. "O desempenho operacional não trouxe nada para comemorar, mas tirando essa confusão com o caixa, não era para cair tanto", diz um gestor. A Netshoes estreou na Bolsa em abril de 2017 com um valuation de US$ 556 milhões, metade do que pretendia quando começou as conversas com investidores em meados do ano passado. Mais da metade do book ficou concentrado em cinco grandes investidores, o que ajudou no desmonte do papel quando a história de crescimento e geração de caixa começou a azedar. Em meio à confusão e a derrocada das ações na Bolsa, a Netshoes trocou a diretoria financeira. Em fevereiro, Alexandre Olivieri — que já foi CFO da Hypermarcas, da Fastshop e estava no Grupo São Francisco — assumiu o cargo no lugar de Leonardo Dib, que estava na companhia desde 2013 e ajudou a fazer o IPO. Procurada pelo Brazil Journal, a empresa não quis comentar o resultado.

Natalia Viri

Leia mais em braziljournal 15/05/2018

#PerformancedeNegócios

0 visualização
Akurat Consultoria Empresarial
Rua Dr. Cesar, 1161 - Conj. 505
Santana- São Paulo - SP

mail: akurat@akurat.com​.br