top of page

‘Nem tudo vai acabar bem’: o alerta do presidente desta gigante de private equity

Bloomberg — O setor de private equity deve enfrentar a realidade dos valuations mais baixos, de acordo com Scott Kleinman, da Apollo Global Management.


“Estou aqui para dizer aos senhores que nem tudo vai ficar bem”, disse o copresidente da Apollo em uma sessão da conferência SuperReturn International, em Berlim, na quarta-feira (5/6).


“Os tipos de retornos de que o setor de private equity desfrutou por muitos anos, até 2022, os senhores não verão isso até que a maré baixe. E essa é apenas a realidade de onde estamos.”


As empresas de private equity não realizaram remarcações significativas durante o recente período de aumentos rápidos das taxas de juros no mundo, o que significa que “os investidores de todos os tipos terão de engolir o caroço que está passando pelo sistema”, disse ele, referindo-se aos ativos que as empresas de private equity compraram até 2022.


Os fundos agora estão mantendo essas empresas e, eventualmente, terão de se refinanciar com taxas de juros mais altas.


Isso significa que “menos realizações e retornos menores” estão no horizonte de grande parte do setor, disse Kleinman, cuja empresa é conhecida por sua estratégia voltada para empresas de geração de valor.


Seus comentários estão entre os mais fortes até agora feitos por uma figura importante do setor sobre os desafios que as empresas do ramo enfrentam ao lidar com custos de empréstimos mais altos, mercados voláteis e incerteza econômica.


De acordo com dados da Preqin, um recorde de US$ 3,2 trilhões estavam vinculado a empresas de capital fechado no final de 2023. Isso é um problema para o private equity - que se baseia no ciclo de captação de recursos para fazer aquisições, sair por meio de uma venda ou de um IPO e depois devolver o dinheiro aos investidores. Alguns estão até mesmo buscando estratégias alternativas de saída.


Ainda assim, Kleinman vê uma década brilhante à frente para novas aquisições, referindo-se principalmente às oportunidades de negócios privados nos EUA, nos quais ele ainda vê “muito valor”. Ele também espera que a Apollo participe de mais negócios semelhantes à joint venture de US$ 11 bilhões que firmou com a Intel (INTC) esta semana.


Seus comentários seguem os de outros participantes do evento do setor, que disseram que as negociações devem se acelerar este ano, uma vez que os fundos de aquisição e de crédito privado enfrentam pressão para devolver o dinheiro a seus investidores.


A Apollo, sediada em Nova York, é uma das maiores gestoras de ativos alternativos do mundo, investindo em crédito, ações e imóveis. A empresa, que encerrou o ano passado com US$ 651 bilhões em ativos sob gestão, tem como meta atingir US$ 1 trilhão até 2026.


Separadamente, Kleinman abordou a divergência entre as economias dos EUA e da Europa. "A Europa ficou para trás", disse ele, observando que sua dependência de financiamento bancário e mercados de securitização e de capital privado relativamente pequenos estão prejudicando o investimento.


©2024 Bloomberg L.P.

Por Jan-Henrik Förster - Kat Hidalgo

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page