top of page

Investimento de fundos de venture capital no Brasil despenca 91%, aponta KPMG


Pela quinta vez consecutiva, o Brasil registrou queda trimestral no valor de investimentos vindos de fundos de Venture Capital (VC). O relatório Venture Pulse Report – Global Trends, da KPMG, mostra que US$ 163,9 milhões em capital de risco foram injetados no ecossistema de inovação brasileiro entre janeiro de março de 2023, uma queda de 30% no período em relação ao trimestre anterior. Na comparação anual, o recuo foi ainda maior, de 91,8%. Entre janeiro e março de 2022, quando a indústria de VC estava em alta, o país recebeu US$ 2 bilhões em fundos. "Os investidores estão neste momento avaliando melhor cada oportunidade e procurando rentabilidade, em vez de crescimento elevado. As avaliações estão mais realistas e os aportes mais baixos", afirma Rodrigo Guedes, sócio-líder de Equity Capital Markets Advisory da KPMG no Brasil. "Quando são considerados esses dois fatores, há algumas boas empresas com perfis de crescimento versus retorno que atraíram os investimentos no primeiro trimestre deste ano” O relatório concluiu que os investimentos em empresas de consumo e varejo provavelmente permanecerão baixos, enquanto energia alternativa e tecnologia limpa, defesa, segurança cibernética e serviços B2B são as áreas mais resilientes no cenário global. Setores da energia alternativa e de tecnologia limpa continuaram a atrair financiamentos significativos em todas as regiões. A Inteligência Artificial (IA) generativa é uma área que poderia ver um pico de investimento. Para Daniel Malandrin, sócio-líder de Venture Capital e Corporate Ventures da KPMG no Brasil, o trimestre foi desafiador para startups principalmente nas rodadas late stage. "Uma das razões é a dificuldade de negociar valuation com novos investidores. Enquanto fundadores e atuais investidores gostariam de manter o valuation da última rodada, novos investidores têm dificuldade de aceitar tal condição e têm demonstrado maior preocupação com rentabilidade que nos anos anteriores", analisa. Além disso, acrescenta o executivo, atuais investidores podem não ter interesse em ‘marcar’ seus investimentos em valores que reduzirão o retorno não realizado do portfólio, podendo dificultar a captação de novo fundo. "Este impasse pode ser fatal para startups que precisam de capital e para gestores que precisam demonstrar histórico de performance positiva. Neste cenário, é esperado um aumento da racionalização das operações nas startups e aumento de transações de fusões e aquisições", avalia. Números globais O investimento global de VC foi de US$ 57,3 bilhões no primeiro trimestre de 2023, o nível mais baixo desde o segundo trimestre de 2017. O número também representa uma forte queda na comparação com o quarto trimestre de 2022, quando atingiu US$ 86 bilhões, e com o primeiro trimestre de 2022, quando chegou a US$ 177,6 bilhões (queda de 67,7%). Nas Américas, o investimento de Venture Capital foi de US$ 33,1 bilhões, com 2.542 transações, no primeiro trimestre de 2023 - uma diminuição em relação aos US$ 44 bilhões, em 4.050 transações, do quarto trimestre de 2022.



1 visualização0 comentário
bottom of page