top of page

Wipro dobra no Brasil desde 2020 e, com Open Banking, vê espaço para mais

Em entrevista ao IT Forum, Douglas Silva, country manager da multinacional indiana, detalha planos, desafios e aprendizados da empresa no País



A tecnologia e o acesso a ela são desafios vencidos pelo mercado, e a maior dificuldade para empresas brasileiras que buscam se digitalizar, especialmente as grandes, é redesenhar processos e acelerar a transformação digital. Ser um parceiro de serviços estratégico e capaz de ajudar nesse movimento é a pretensão da multinacional indiana Wipro, que desde o começo de 2020 dobrou o número de profissionais no Brasil.


“Nossos mercados principais são, claro, EUA e Europa. [Lá] crescemos em um volume maior”, explica o vice-presidente e country manager da empresa no Brasil, Douglas Silva, em entrevista ao IT Forum. Com passagens por grandes fabricantes como HP e SAP, além de integradores (Capgemini, Tata Consultancy) e provedores de nuvem (AWS), o executivo assumiu o cargo em janeiro desse ano a missão de liderar a principal operação da empresa na América Latina.


“No começo de 2020 tínhamos 2 mil profissionais. Agora temos 4 mil”, diz o executivo, para ilustrar o crescimento da empresa no País. “Também fizemos uma aquisição na metade do ano passado no Nordeste [a cearense Ivia, adquirida em julho de 2020]. Com isso tudo somado praticamente dobramos no Brasil.”


Segundo Silva, se comparado aos mercados americano e europeu, o brasileiro ainda é pouco maduro, o que significa uma demanda muito forte por transformação principalmente por parte das grandes empresas. Ainda assim é o maior mercado da América Latina e tem forte participação na operação de Américas como um todo, superando México, Chile e Colômbia. O que explica investimentos recentes, como um espaço de coinovação com a Amazon Web Services inaugurado em agosto.


“Vejo uma grande carência no mercado, por conta da escassez de talentos, de bons profissionais qualificados. E a gente busca se diferenciar nesse sentido para atender bem”, diz o country manager, que também aposta em parcerias com grandes fabricantes. Além da AWS, a integradora indiana tem parcerias com fabricantes como Oracle, Salesforce. SAP e Microsoft, entre outros.


Transformação financeira

O foco atual, quando se trata de verticais de negócio, repousa principalmente sobre o setor financeiro – onde estão os maiores clientes da Wipro no Brasil atualmente –, além de bens de consumo e varejo e, por último, saúde. “Nossa participação nas principais indústrias aqui no Brasil é muito parecida, por coincidência, com a participação global. O setor financeiro, que inclui bancos, seguradoras etc, é 33,4% de tudo que fazemos. É um terço”, explica.


Entre os clientes estão principalmente grandes bancos. Mas com a implementação do Open Banking acelerando, o executivo prevê uma abertura do setor que, a longo prazo, deve diminuir a concentração no mercado financeiro brasileiro, abrindo novas frentes de negócio. Mesmo que, ao menos por enquanto, a empresa esteja concentrada no trabalho conjunto com os bancos para a desenvolvimento de soluções que aproveitem os dados abertos.


“Tem sido muito bom. Temos ganho uma experiência importante. A forma de implementar o Open Banking no Brasil tem sido bastante inovadora”, reflete Silva, que também verifica mudanças na forma de trabalhar de instituições clientes, como Bradesco e Itaú. “Os bancos e as empresas estão correndo atrás. Passaram a ser mais exigentes com parceiros estratégicos de tecnologia.”


Segundo o country manager, se antes os bancos procuravam a Wipro principalmente para reduzir custos, agora buscam o apoio de “cabeças pensantes”, o que também muda a forma de a empresa atuar. “É muito diferente de cinco anos atrás. O cliente espera que a Wipro seja provocativa.”


Além do setor financeiro, o de bens de consumo e varejo tem grande peso no faturamento da Wipro no Brasil: 20% do total (sendo 17% no mundo), energia e utilities 13% (15% no mundo) e saúde 12% (Brasil e mundo).


Desafio dos talentos

Uma empresa que se propõe a ser provedora de serviços e inovação deve ser diariamente desafiada pelo déficit de mão de obra especializada em tecnologia no mercado brasileiro para sustentar essas ofertas. Silva concorda que, sim, esse é o caso da Wipro. O problema “muito grave” e “atrasa o Brasil em termos de modernização”. No entanto, diz, não existe uma única solução.


Uma das iniciativas da empresa, conta o country manager, tem sido buscar talentos para além das regiões Sul e Sudeste. A aquisição da Ivia no Nordeste aumentou a capilaridade da empresa, além de dar acesso a pools de talentos em outras regiões do país, incluindo Fortaleza (CE) e Recife (PE). A empresa também apostou na contratação de pessoas 100% remotas em “qualquer cidade ou local do país”.


Por último vem a formação. Entre abril e julho a Wipro contratou no Brasil cerca de 250 profissionais ainda na universidade ou recém-formados, que depois passam por programas internos de formação específicos. “Queremos treinar esses profissionais e fazer com que eles estejam em projetos o mais rápido possível”, diz.


Publicado em: itforum.com.br

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page