top of page

O que esperar para o cenário de M&As na América Latina em 2024

Bloomberg Línea — Depois de um ano marcado pela incerteza política, pela inflação e por altas taxas de juros, os empresários da América Latina já estão focados em 2024, que traz como primeiro desafio para os negócios a desaceleração da economia global e os ventos contrários que isso pode significar.


A atividade de fusões e aquisições (M&A, em inglês) esteve em um equilíbrio delicado neste ano de 2023, com um total de 2.854 operações até novembro, uma queda de 14,47% em comparação com o mesmo período de 2022, de acordo com dados da plataforma especializada em monitoramento de transações TTR Data.


Até aquele momento de 2023, era evidente que o mercado de fusões e aquisições em nível global adotou uma postura cautelosa e seletiva em seus investimentos.


Em uma entrevista à Bloomberg Línea, Marcela Chacón, porta-voz institucional da TTR Data, afirmou: “Apesar dos desafios, os investidores ainda mantêm um otimismo em relação ao panorama de investimento na América Latina”.


No entanto, diante do atual cenário caracterizado por desafios sociais e políticos, Lina Uribe, diretora de Fusões e Aquisições na firma de advocacia Gómez-Pinzón, afirmou a este meio que “os investidores têm demonstrado astúcia ao se adaptar às novas circunstâncias”.


Jaime Trujillo, sócio de Fusões e Aquisições na firma de advocacia internacional Baker McKenzie, disse à Bloomberg Línea que, embora 2023 tenha sido um ano marcado por uma diminuição na atividade de fusões e aquisições, também ocorreram algumas transações relevantes, como as envolvendo as empresas da GEA (Nutresa, Sura e Argos), Almacenes Éxito e Genfar na Colômbia.


“Para 2024, consideramos que os países que impulsionarão a atividade de fusões e aquisições na região serão Brasil, México e Argentina, enquanto na Colômbia poderemos sentir os efeitos de investimentos provenientes da mesma região, principalmente do Brasil.”


“O crescimento da economia brasileira não apenas aumentará a atividade de fusões e aquisições no país, mas também pode levar as empresas brasileiras a voltarem a considerar a região como destino de investimento”, avaliou.


Em relação ao México, preveem que o investimento continuará focado em sua relação comercial com a América do Norte. Enquanto isso, o investimento na restante América Latina permanecerá relativamente marginal.


Quanto à Argentina, “os recentes anúncios do presidente Javier Milei sugerem um aumento da atividade transacional local, por meio de privatizações”, de acordo com Jaime Trujillo.


As condições para M&A

Marcela Chacón, da TTR Data, afirmou que os países da região têm sofrido devido à cautela dos empresários em relação à alta inflação, altas taxas de juros e desaceleração econômica global. Em casos específicos de certos mercados da região, ela observa uma influência negativa devido à incerteza política e diretrizes econômicas que “mantiveram o ecossistema de investimento em um ambiente de cautela”.


De acordo com ela, o terceiro trimestre foi particularmente um período de grandes desafios, com uma redução significativa no ritmo de transações em comparação com o mesmo período do ano anterior. “O nível de incerteza em relação a alguns temas locais relacionados à economia e política, inflação e altas taxas de juros, entre outros, contribuiu para esses resultados”, disse em entrevista.


Trujillo complementou que, além dos fatores internacionais, dependendo dos mercados, outras situações influenciaram, como a percepção do risco país, maiores taxas de tributação, deterioração da segurança, ineficiência nos gastos públicos e o trâmite ou anúncio de projetos de reforma em setores-chave como saúde, regime trabalhista, previdência e serviços públicos.


O que esperar em 2024?

Em todo caso, os analistas consideram que os principais investidores estrangeiros, provenientes principalmente dos Estados Unidos, Reino Unido e China, continuarão desempenhando um papel fundamental em 2024 no que diz respeito a fusões e aquisições na América Latina. De acordo com a TTR Data, projeta-se “uma recuperação gradual da atividade de fusões e aquisições, especialmente aquelas que estiveram em espera, à medida que as taxas de juros diminuem e o panorama econômico e político se consolida”.


Do lado da Baker McKenzie, espera-se um aumento tanto no número quanto no valor das transações em 2024, apesar de muitos dos fatores que impactaram a dinâmica de fusões e aquisições em 2023 persistirem. No entanto, projeta-se que os investidores terão melhores elementos para tomar decisões de investimento ou desinvestimento, uma vez que alguns terão incorporado esses fatores em suas avaliações ou se sentirão mais preparados para gerenciá-los.


Prevê-se que investidores financeiros estarão sob maior pressão para mobilizar recursos e realizar desinvestimentos em investimentos que já completaram seu ciclo.


Entre os setores que podem estar mais ativos em fusões e aquisições, destacam-se as operações relacionadas à fintech, visto que “a tendência nos mercados emergentes em direção à bancarização, ou pelo menos à digitalização, que surgiu durante a pandemia, continuará, assim como a expansão de plataformas que exigem um ecossistema digital”, de acordo com Trujillo.


Outras áreas destacadas incluem infraestrutura e saúde, devido ao aumento nos gastos devido a fatores demográficos e à maior prevalência de doenças associadas ao sobrepeso.


Analistas estão atentos aos movimentos que podem ocorrer no setor elétrico, devido ao impulso que a transição energética tomará, e a um maior apetite por adquirir ativos já desenvolvidos, diante de uma eventual queda no desenvolvimento de novos projetos.


Lina Uribe, da Gómez-Pinzón, opina: “Identificamos e prevemos oportunidades no próximo ano em setores como telecomunicações, tecnologia, infraestrutura, energias renováveis e serviços públicos”.



4 visualizações0 comentário
bottom of page