top of page

Nestlé negocia a compra do controle da Kopenhagen por R$ 4,5 bi



A Nestlé negocia a compra do controle da brasileira Kopenhagen por valor próximo de R$ 4,5 bilhões. A venda – que, segundo pessoas que acompanham as conversas, estaria próxima de ser fechada – faria parte de um processo de desinvestimento do fundo americano Advent, controlador da varejista, que busca liberar recursos para novas oportunidades no varejo. No mês passado, o fundo de investimentos já havia vendido 85% de sua participação no Carrefour. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, os recursos devem ser direcionados para investimentos em redes regionais varejistas ou de atacarejos. O Advent comprou a Kopenhagen em 2020. Neste ano, contratou o Goldman Sachs para estudar “alternativas estratégicas” para a empresa de chocolates. Na mesa, havia a opção também por uma abertura de capital (IPO). Já a Nestlé foi assessorada pelo UBS BB. Além da Nestlé, a Kopenhagen foi oferecida ainda a outros compradores, como a Cacau Show. O nome da Nestlé vinha circulando nos últimos dias entre banqueiros da Faria Lima como um dos favoritos para a compra da Kopenhagen. Uma das dúvidas era se a empresa suíça estaria disposta a enfrentar novamente reguladores brasileiros, após um trâmite de mais de 20 anos no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) da compra da Garoto, anunciada em 2002 e aprovada só em 2023. A Kopenhagen é uma marca quase centenária. Foi fundada em São Paulo pelo casal de imigrantes David e Anna Goldfinger Kopenhagen e se tornou um símbolo de chocolates voltados à classe A. A primeira loja foi aberta no centro da cidade em 1929, um ano após o casal começar a produzir marzipan na cozinha de casa. Na década seguinte, a empresa já tinha construído a sua fábrica no bairro do Itaim, onde até hoje possui uma loja de referência da marca. Em 1996, a Kopenhagen foi comprada pelo empresário Celso Ricardo de Moraes, e passou a pertencer ao grupo CRM. Em 2014, a CRM firmou uma parceria com a suíça Lindt. Em 2020, o grupo se associou ao Advent International, que agora negocia a venda da Kopenhagen para a também suíça Nestlé. Investimento Recentemente, a Nestlé anunciou investimento de R$ 2,7 bilhões em suas fábricas de biscoitos e chocolates no Brasil até 2026. No último ciclo, de 2019 a 2022, o valor aportado pela empresa no País foi bem menor, próximo a R$ 1 bilhão. Para se ter uma ideia da relevância, o total a ser investido nesses três anos no País representa mais de 50% do que a Nestlé vai investir no mundo em chocolates e biscoitos. Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), em parceria com a consultoria KPMG, mostra que a produção nacional de chocolates cresceu 9,8% no primeiro trimestre em relação a igual período do ano passado, atingindo 219 mil toneladas. Em 2022, a produção chegou a 760 mil toneladas, uma expansão de 8% ante 2021. Entre as fábricas da Nestlé, 40% dos recursos dos novos investimentos que foram anunciados serão investidos na unidade de Caçapava (SP); 40% na fábrica da Garoto, em Vila Velha (ES); e 20% na unidade da marca de Marília (SP). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page