top of page

Extreme Group compra Beyond Co e muda para Recife



O Porto Digital, parque tecnológico pernambucano, irá receber ainda neste mês de agosto a matriz do Extreme Group (EDS), que está sendo migrada de São Paulo para o Recife. O novo escritório vem após a compra da startup pernambucana Beyond Co. e deve gerar demanda por centenas de vagas. O Extreme Group é formado por empresas que focam em três pilares: representação de grandes marcas globais; célula de serviços e desenvolvimento de produtos proprietários, ou seja, auxilia empresas e governos desde a implementação de novas tecnologias até a aquisição de serviços que possam transformá-los digitalmente. A partir do Recife, o grupo quer ampliar a sua atuação em todo o Nordeste, nos setores público e privado.

“Foi um conjunto de fatores que nos levou a isso (escritório matriz no Recife). Acreditamos muito no mercado local. Recife é âncora no Nordeste, com potencial enorme. queremos explorar a partir de lá a transformação digital e tecnológica que tem tido êxito no Rio, Brasília e São Paulo”, explica o CEO do Extreme Group, Gustavo Rabelo. Apesar de não revelar o investimento, Rabelo diz que a empresa abre as portas no empresarial Bom Jesus, na rua do Bom Jesus, no bairro do Recife. Vagas no Extreme Group Atualmente, a empresa já conta com 1 mil colaboradores, além de manter atualmente abertas 200 vagas. Essas oportunidades poderão e deverão ser preenchidas a partir da nova sede no Recife, que abrigará também os profissionais da startup local comprada, hoje em torno de 25 a 30 colaboradores. A aposta na capital pernambucana também deve-se à preocupação a nível nacional por mão de obra qualificada. O Extreme quer chegar a Pernambuco para disputar essa já escassa oferta de profissionais locais e ciente disso também investirá junto a universidades e governo na capacitação de mão de obra por meio de seus programas já existentes. “Apoiamos a academia com formação acelerada de mão de obra. Temos programas de formação que duram de dois a quatro meses que capacitam para a entrada no mercado de trabalho, para o nosso negócio, é claro, mas também para outras empresas absorverem esses profissionais”, afirma Rabelo.


Publicado em JC.ne10.uol.com.br


18 visualizações0 comentário
bottom of page