top of page

Com dívida de R$ 400 milhões, grupo calçadista de Birigui prepara recuperação judicial


A Justiça de Birigui (SP) concedeu liminar determinando a suspensão de ações de execução contra o Grupo DOK, dono das marcas Ortopé e Dijean, até que seja apresentado o possível pedido de recuperação judicial da empresa, que passa por uma crise financeira. Uma das providências já adotadas foi o afastamento da antiga diretoria financeira e da administração do grupo e a contratação da DASA Advogados, consultoria especializada para diagnóstico da atual conjuntura empresária. O Hojemais Araçatuba entrou em contato com o escritório, que revelou que estima-se o endividamento do grupo em cerca de R$ 400 milhões, distribuídos em aproximadamente 90 instituições financeiras, entre bancos e fundos de investimento em direitos creditórios. A reportagem também teve acesso ao pedido de liminar que foi atendido pela Justiça de Birigui no último dia 7, após negativa do Plantão Judiciário de Araçatuba. Um dos argumentos para a concessão da liminar é que já foram ajuizadas pelo menos três ações de execução contra o grupo entre os dias 27 de dezembro e 6 de janeiro, somando R$ 9,3 milhões. Em uma delas, o credor também requereu a concessão de liminar para garantir efetividade à execução, que tramita em segredo de Justiça. Caso O pedido de liminar foi protocolado no Plantão Judiciário de Araçatuba em 28 de dembro do ano passado. Nele consta que o Grupo DOK foi idealizado em julho de 2010, em Birigui. Após uma década de operação foram incorporadas a Ortopé, calçados premium para crianças; e a Dijean, calçados para o público feminino adulto, do Grupo Vulcabras. Dando sequência ao processo de expansão, em 2022 o grupo passou a produzir calçados para grandes marcas como Arezzo, Bata e Puma e distribuir para grandes redes varejistas brasileiras do mercado da moda, como Renner e C&A. Investimento Ainda no ano passado, em junho, o Grupo DOK decidiu adquirir a marca Esposende, negócio que incluiu 48 lojas e um centro de distribuição. Os advogados responsáveis pelo pedido de liminar citam na inicial que seria necessário a injeção de valores altos para a manutenção do negócio. Entretanto, não houve o suporte das instituições financeiras, por isso, a necessidade da suspensão das execuções, até que seja providenciada toda documentação necessária para apresentar o pedido de recuperação judicial e assegurar que as empresas continuem em funcionamento até a obtenção do investimento. “Vale dizer que, atualmente, o Grupo DOK emprega mais de 4.000 funcionários, direta e indiretamente, além de incentivar o desenvolvimento local das cidades de Frei Paulo, Nossa Senhora Aparecida e Salgado, todas no Estado de Sergipe, em Birigui, no estado de São Paulo e, por fim, Sapiranga, no estado do Rio Grande do Sul”, cita o pedido de liminar. O Grupo DOK acrescenta ainda que exporta seus produtos para mais de 20 países, incluindo Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Israel, Libia, Panamá e Paraguai. Publicado em: hojemais.com.br


19 visualizações0 comentário
bottom of page