Brookfield encontra pechinchas em meio à crise do Brasil

Escândalos de corrupção e uma recessão profunda azedaram muitos investidores estrangeiros no Brasil nos últimos anos, mas um grupo canadense viu oportunidades.


A Brookfield Asset Management e suas subsidiárias fizeram quase uma dezena de grandes aquisições no país desde 2013. As empresas investiram cerca de 10 bilhões de dólares em energia, infraestrutura e ativos imobiliários que poucos outros queriam devido a riscos legais, políticos e econômicos envolvidos. "Crise é um bom momento para encontrar valor", disse uma pessoa próxima do grupo.

Isso incluiu a compra de ativos de empresas envolvidas na investigação Lava Jato. As compras confirmaram a reputação da Brookfield como um dos caçadores de pechinchas mais fortes do Brasil. Em 2016, por exemplo, a Brookfield Infrastructure Partners liderou a compra de uma operadora de gasodutos da Petrobras. Outra rede de gasodutos da estatal, com metade da capacidade, obteve recentemente lances de cerca de 8 bilhões de dólares de investidores. A Brookfield mostrou interesse.

A experiência da Brookfield se baseia em quase 120 anos de experiência do grupo no Brasil, mas a recente onda de compras levou a empresa a novos níveis de due diligence e salvaguardas legais, segundo entrevistas com seis pessoas envolvidas nos negócios.

A empresa se recusou a comentar sobre seus investimentos no Brasil, que representam cerca de 15 por cento de seu portfólio de 286 bilhões de dólares, seu maior mercado após os EUA. O presidente-executivo, Bruce Flatt, chamado de “Warren Buffett do Canadá", celebrou recentes aquisições no Brasil como "negócios de qualidade com vendedores que precisam de capital”, em uma carta a investidores, em fevereiro.

Recuperar preços de mercado e avaliações maiores sobre negócios comparáveis ??sugerem que o grupo pode ter um bom lucro com a aposta no Brasil, assim como fez na recessão global uma década atrás.

PRIVATIZAÇÕES Alguns anos atrás, nuvens negras envolviam as conversas da Brookfield. O acordo de 2016 para a operadora de gasodutos Nova Transportadora do Sudeste (NTS) foi uma das maiores vendas de ativos em um programa de desinvestimento na Petrobras. A Petrobras está vendendo ativos para reduzir endividamento, mas críticos criticam as privatizações e fizeram delas um assunto para as eleições presidenciais deste ano.

Ciro Gomes, um dos principais candidatos de esquerda, do PDT, prometeu reverter as vendas de ativos estatais se eleito. "O que eu quero dizer (aos investidores) é: Não compre. Espere um pouco", disse ele à Reuters em março. Prevendo o risco de uma dramática mudança de política na Petrobras, a Brookfield colocou dezenas de advogados na tarefa de esboçar um acordo rígido.

Sob contratos detalhados de "take or pay" que agora definem o relacionamento entre NTS e a gigante petrolífera, a Brookfield tem direito a compensação se a Petrobras mudar os contratos de uma forma que prejudique o fluxo de caixa dos canadenses, de acordo com três pessoas com conhecimento do setor.

O chefe de banco de investimento no Brasil de um banco global, que não esteve envolvido no negócio do NTS, disse que esse é um exemplo da disposição da Brookfield de fazer grandes apostas em que os outros descartam. "Todo mundo ficou impressionado com sua oferta de 5 bilhões  de dólares na época", disse a fonte. Esse acordo bem sucedido persuadiu outros investidores a considerar os ativos da Petrobras, elevando os preços em uma venda subseqüente de oleodutos, acrescentou a pessoa.

Analistas da Saibus Research elevaram o preço-alvo para ações da Brookfield Infrastructure Partners após o acordo com a NTS, citando um aumento em suas margens de lucro recorrentes. Desde então, as ações subiram 18 por cento em Nova York. Fundada em 1899 como a Ferrovia de São Paulo, Light e Power Company, a Brookfield virou uma empresa de investimento global diversificada. Até 2005, ela se chamava Brascan, um reflexo de suas raízes como empresa de investimentos canadense no Brasil. Mas a Brookfield teve seus próprios problemas no Brasil.

Sua unidade de construção civil foi uma das cerca de 30 incorporadoras acusadas de pagar propinas a fiscais em São Paulo. Ex-empregados da unidade, que mais tarde mudou o nome para Tegra, assumiram a responsabilidade pelo pagamento dos subornos e são testemunhas em processos contra os fiscais.

Em outro caso, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA e a polícia brasileira livraram a Brookfield de acusações de que sua unidade de shopping centers pagou propinas a políticos. Um dos mais recentes acordos da Brookfield testará sua capacidade de evitar as conseqüências de outro escândalo de corrupção municipal. No ano passado, a empresa aceitou pagar 1 bilhão de dólares por 70 por cento da empresa de saneamento e tratamento de água da Odebrecht ODBES.UL . Os promotores acusaram a Odebrecht de pagar propinas para garantir contratos com alguns dos 186 municípios onde a concessionária opera.

Em comunicado, a Odebrecht, que fez um acordo de leniência com os promotores, disse que o grupo está "colaborando com anaplicação da lei no Brasil e em outros países e criou controles internos para detectar e impedir comportamentos ilegais”.

Cerca de 60 advogados trabalhando para a Brookfield passaram oito meses avaliando os riscos. Eles reservaram 100 milhões de dólares para cobrir possíveis obrigações se os governos municipais quebrarem contratos ou exigirem compensação devido a esquemas de propina.

Desde que a subsidiária Brookfield Business Partners fechou o negócio em abril de 2017, nenhum dos contratos municipais mantidos pela empresa, agora chamada de BRK Ambiental, foram rescindidos e apenas um deles está em litígio, de acordo com duas pessoas com conhecimento da matéria. Por Tatiana Bautzer (Reuters) –  (Reportagem adicional de Fergal Smith, Luciano Costa e Carolina Mandl) Leia mais em ultimoinstante 21/05/2018 

6 visualizações
Akurat Consultoria Empresarial
Rua Dr. Cesar, 1161 - Conj. 505
Santana- São Paulo - SP

mail: akurat@akurat.com​.br