Bossanova Investimentos busca startups de educação para investir R$ 5 milhões


A Bossanova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo o País , está em busca de startups com soluções inovadoras e escaláveis no segmento de educação para investimento. Um comitê de co-investidores composto por diversos profissionais renomados no mercado, tem R$ 5 milhões disponíveis para encontrar negócios que resolvam problemas reais do segmento educacional.


Startups como Trakto, ImaginaKIDS, Be Academy, Gente Lab e Mettzer já receberam aporte do grupo. Além de ajudar os empreendedores com suporte financeiro, a Bossanova também oferece diversos benefícios para os founders que fazem parte da Rede Bossa. O objetivo da investidora é potencializar, por meio do investimento, empresas de inovação localizadas em todo o Brasil e que com isso, elas consigam gerar um crescimento em cadeia e criar novos empregos.


Liderado por Janguiê Diniz, Fundador e Presidente do Conselho de Administração na Grupo Ser Educacional e acionista da Bossanova e Gustavo Frayha, sócio da ATMO Educação, o projeto conta com a colaboração de um comitê de investimento composto por Carol Paifer, Presidente e Diretora da RI ATOM Participações S.A, Celso Niskier, Reitor no Centro Universitário UniCarioca; Felipe Diesel, empreendedor e educador; Rodrigo Marques, CEO do Grupo Educacional Ensina; Bruno Drummond, mentor de startups, investidor anjo, conselheiro e fundador da Drummond Advisors e Guilherme Döring Cunha Pereira, Presidente executivo do GRPCOM – Grupo Paranaense de Comunicação.


O ecossistema de edtechs é um dos segmentos que segue em constante evolução. Um estudo do Centro de Inovação para a Educação Brasileira (Cieb) em conjunto com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), mostra que o número de startups brasileiras especializadas no segmento educacional alcançou 566, número 26% maior do que o registrado em 2019, crescimento devido à pandemia de COVID-19, que transformou o ensino remoto em modalidade obrigatória no país e com tendência de continuar. Segundo esse levantamento, 64% das startups com foco na educação mantiveram ou aumentaram o faturamento em 2020; 89% não realizaram cortes na folha de pagamento e 40% aumentaram o quadro de funcionários.


De acordo com João Kepler, CEO da Bossanova Investimentos, esse modelo de trabalho tem se mostrado vantajoso e uma ótima chance para encontrar startups com soluções que fazem a diferença.


“Sabemos que a educação é carente de iniciativas que ajudam a melhorar a aprendizagem e o ensino como um todo, mas também sabemos que existem muitas ideias boas que precisam somente de um incentivo para poder escalar e ter sucesso.


Durante a pandemia, percebemos um aumento de novas soluções, especialmente com foco no ensino à distância e apostar neste segmento, com nomes importantes do mercado educacional e que também entendem de investimento em startups, é uma fórmula de sucesso que queremos replicar para outros nichos. Já temos algumas startups investidas, e estamos muito confiantes de que encontraremos outros bons negócios no processo”, afirma ele.


Publicado em: startupi.com.br

10 visualizações0 comentário